26 de jan de 2013

Respirando outros novos ares


Ela olhava pela janela, e pela primeira vez em anos realmente via. E não eram quaisquer coisas, e sim mudanças. Não que o mundo fosse mudar. Nem sua vida, afinal objetos ou suas matérias primas são inanimados e o máximo de ação que poderiam fazer seria sua própria reação.
A reação pelos atos dela mesma, a lei de ação e reação, pela primeira vez, aconteceria em sua vida. Não pelo fato de no passado o troco não vir na moeda certa, mas pelo fato de não ter pago para ver.
Pela primeira vez ela não levantou-se para bater de frente, e sim para seguir em frente. Percebeu que a vida é bem mais do que o costume, o cômodo. Quando percebeu que fazer é mais simples do que esperar que façam, que o hoje é bem menos complicado do que o amanhã, sentiu-se mais segura.
Em sua companhia apenas seguia quem realmente merecia. Pode parecer poético, mas era para ser o comum. Foi ai que se deu conta que nada havia mudado fora de si. A vista de sua pequena janela continuava a mesma, um pequeno gramado do vizinho da frente, provavelmente o único naquela cidade frenética que ainda acreditava que o tempo não passava tão rápido assim. Uma sorveteria, um correio e um cartório, o local mais feliz de sua rua em dias de casamento. E o resto? Era apenas realmente o resto, prédios e construções começadas, que provavelmente seriam mais alguns prédios. Tudo, absolutamente tudo ali fora era igual ontem, mas olhando para dentro de si, percebeu que havia algo diferente em tudo que via e sentia.
Ela queria mudanças, mas não como todas as outras vezes que quis mudar as coisas, dessa vez queria mudar seus atos, para assim mudar o seu mundo. Um mundo pequeno, de poucos habitantes, mas que, à partir dali, se tornaria tão grande, que nunca pensaria em habitá-lo. Sentia mudanças se aproximando com a brisa vinda daquela janela.

Beijinhos e até o próximo post!! ♥
Imagem: We Heart It

Nenhum comentário:

Postar um comentário